Seguros com Segurança.

Blog sobre seguros e coisas afins.

  • Página Principal
    Página Principal Aqui você pode encontrar todas as postagens do blog
  • Tags
    Tags Mostra uma lista de tags utilizadas no blog.

Danos corporais não protegem ocupantes do veículo segurado

em em Automóveis.
  • Tamanho da fonte: Maior Menor
  • Increver-se para receber atualizações
  • Imprimir

No momento de se contratar um seguro para proteger o veículo e os danos que ele possa causar a terceiros, os contratantes possuem a opção de também proteger os ocupantes do automóvel segurado. No entanto, devido ao fato de constar da apólice a cobertura para danos corporais, o segurado tem a falsa impressão de que a cobertura abrange os danos que possam ser causados também aos ocupantes do carro, incluindo o condutor.

Colisão

O advogado Luís Eduardo Nigro, especialista em Direito Securitário, destaca que “devido ao fato de constar na maioria das apólices a indicação da contratação de cobertura para danos corporais, no entanto, sem citar a quem são destinadas tal cobertura, após ocorrer um acidente com algum ocupante do veículo segurado, a vítima ou os beneficiários (no caso de morte) pleiteia a indenização e são surpreendidos com a informação de que, para terem direito ao recebimento da indenização, deveria ter sido contratada na apólice a cobertura para Acidentes Pessoais de Passageiros (APP)”.

De acordo com o executivo, os danos corporais se destinam a indenizar pessoas que não estão no interior do veículo segurado e que sofreram danos à sua integridade física como, por exemplo, pedestres ou ocupantes de outros veículos. A cobertura para danos corporais contratada até o limite que constar da apólice será disponibilizada pelas seguradoras desde que fique caracterizada a culpa do condutor do veículo segurado, seja administrativamente ou judicialmente.

“Já a cobertura visando proteger os ocupantes do veículo segurado em caso de morte acidental ou invalidez permanente (total ou parcial) deve ser contratada através de uma outra cobertura que é denominada APP”, explica Nigro.

O especialista frisa que existem posicionamentos minoritários de alguns julgadores de que deve ser considerada a boa-fé do segurado bem como que o mesmo é a parte mais vulnerável da relação contratual, sendo que em caso de dúvida (interpretação ambígua) ou falta de clareza quanto aos beneficiários da cobertura de danos corporais, deverá prevalecer o interesse do segurado, dos ocupantes do veículo ou dos beneficiários do seguro.

“Considerando que nestes casos as chances de êxito em uma ação são mínimas, não é aconselhável deixar de contratar a cobertura especifica de APP se o segurado visa proteger a si próprio e os ocupantes de seu veículo”, recomenda ele.

 

23/06/2015 / Fonte: Revista Apólice

Avaliação média de Indústria do Seguro são 5 Estrelas de 5 estrelas - Baseado em 142 Avaliações
Incluir Depoimento
SUSEP :10.0302767   |   Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.  |   Procon-RJ

 

Seguro de Carro Seguro de Moto Seguro de Caminhão Seguro Empresarial Seguro de Condomínio
Seguro de Casas e Apartamentos Seguro Aluguel Seguro de Vida Seguro Saúde Seguro Odontológico
Seguro de Transportes Seguro Viagem Seguro de Equipamentos Seguro de Acidentes Pessoais Seguro Garantia
Seguro de Responsabilidade Civil Previdência Privada Seguro de Estagiários Outros Seguros